Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quarta-feira, 21 de setembro de 2016

    Ligação entre pedofilia e morte brutal será apurada

    Garras assume investigação de homicídio e ouve familiares e testemunhas 

    Alceu Bueno, em julho de 2015, ao chegar ao Fórum para audiência do processo de pedofilia (Foto: Arquivo Diário Digital)

    As investigações sobre o assassinato brutal do ex-vereador José Alceu Padilha Bueno estão a cordo do Grupo Especializado de Repressão a Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros (Garras) de Campo Grande. O corpo dele foi encontrado queimado nesta quarta-feira, dia 21, em um matagal na Rua Avanhandava, Jardim Veraneio, no Parque dos Poderes, na Capital. O delegado titular do Garras Edilson dos Santos convocou entrevista coletiva para falar sobre o início das investigações. 
    Corpo foi encontrado em um matagal na Rua Avanhandava, Jardim Veraneio, no Parque dos Poderes (Foto: Luciano Muta)

    Conforme Edílson, nenhuma hipótese está descarta, nem mesmo a ligação entre o homicídio e casos de pedofilia. Em dezembro do ano passado, Bueno foi condenado, em primeira instância, a oito anos de prisão, em regime fechado, pelo envolvimento no escândalo sexual com adolescentes. Conforme a sentença, ele teria cometido dois crimes de exploração sexual de vulnerável. 

    Por conta do escândalo, Alceu renunciou ao mandato de vereador, à presidência do partido político PSL e se afastou da vida pública. Segundo informações apuradas pela Polícia Civil, ele deixou a empresa de sua propriedade na noite desta terça-feira, 20, por volta das 22h, e depois não foi mais visto. A família registrou Boletim de Ocorrências por desaparecimento nesta manhã. 

    Às 7h desta quarta-feira, policiais localizaram uma pessoa morta queimada no Parque dos Poderes. O corpo foi encaminhado para o Instituto de Medicina e Odontologia Legal (Imol). A vítima foi assassinada por estrangulamento e depois queimada. Contudo, para a polícia, aquele foi apenas o local da desova do corpo. O homicídio teria ocorrido em outro lugar. 
    Delegado Edilson dos Santos exibe telefone celular totalmente queimado e medalhinha da Câmara de Vereadores recolhidos junto ao cadáver (Foto: Roberto Okamura)

    O laudo definitivo ainda não ficou pronto, mas o delegado do Garras aponta que junto ao cadáver foram encontradas várias evidências de que a vítima é Alceu Bueno. “Tinha o aparelho celular do mesmo modelo que o ex-vereador usava. Havia ainda o distintivo de vereador (medalhinha entregue aos parlamentares pela Câmara Municipal). As características físicas também são idênticas. O cadáver tem pontos no antebraço esquerdo, assim como Bueno. Contudo, ainda estamos aguardando o laudo definitivo do Imol”, disse o delegado, acrescentando que o documento deve ficar pronto até o final desta tarde. 

    Durante a coletiva, o delegado exibiu o telefone celular que está totalmente queimado, não sendo possível retirar qualquer informação do aparelho. 
    Aparelho de telefone celular está totalmente queimado, não sendo possível extrair dele qualquer informação (Foto: Roberto Okamura)
    Medalhinha entregue aos vereadores pela Câmara Municipal foi encontrada junto ao cadáver (Foto: Roberto Okamura) 

    O veículo de Bueno, uma Land Hover, ainda não foi localizada pela Polícia Civil. Bem por isso, a hipótese de latrocínio também não está descarta. “Neste momento, não desprezamos nenhuma linha de investigação”, esclareceu. O delegado já tomou depoimento de familiares na manhã de hoje. O relato teria sido sucinto. Os depoentes disseram apenas que o ex-vereador deixou a empresa ontem à noite e depois não foi mais visto e nem fez qualquer contato. 

    Nesta tarde, o delegado já convocou testemunhas para depoimento. Ele não revelou nomes e nem a ligação das pessoas com a vítima.
    (Foto: Roberto Okamura)




    Fonte: DD

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS