Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quinta-feira, 8 de setembro de 2016

    Em Dourados, governador autoriza investimentos de mais de R$ 21 mi em infraestrutura

    governador Reinaldo Azambuja - Divulgação

    O governador Reinaldo Azambuja autoriza, neste sábado (10), mais de R$ 21 milhões em obras de infraestrutura para o município de Dourados. As obras são de pavimentação, drenagem e recapeamento de vias.

    Na primeira agenda, o governador Reinaldo assina a ordem que autoriza o início das obras no Núcleo Industrial, o valor investido pelo Governo do Estado é de R$ 11.186.359,68.

    As obras no Núcleo Industrial preveem uma rotatória de acesso e pavimentação de 7 quilômetros de via e implantação de 4,5 metros de galerias pluviais. O valor da obra é de R$ 9.416.343,03. Também está prevista a pavimentação da interseção na rodovia MS-156, que dá acesso ao Detran. Essa ação conta com recursos próprios, na ordem de R$ 1.770.016,65,

    As melhorias vão favorecer o setor e garantir condições para atração de novos empreendimentos. O Núcleo Industrial possui 12 empresas instaladas, que geram pelo menos 3.000 empregos diretos.

    Mais investimentos

    Com recursos próprios, o Governo do Estado está concretizando a promessa do asfalto para oito setores de Dourados. As obras, que envolvem a pavimentação de quase 5 km de vias urbanas, além da drenagem de águas pluviais, vão beneficiar em um único pacote os bairros: Vila Cachoeirinha (parte), Canaã I (parte), Morada do Salto/Canaã VI (parte), Estrela Hory (parte), Vila Bela (parte) e Jardim Carisma (parte). Os investimentos são de R$ 4.128.739,11.

    Outro grande investimento em infraestrutura a ser anunciado pelo governador em Dourados é a obra de recapeamento da avenida Hayel Bom Faker. Junto com as avenidas Marcelino Pires, Joaquim Teixeira Alves e Weimar Gonçalves Torres, a Hayel Bon Faker forma o quadrilátero central da cidade. Para a recuperação da camada asfáltica da via serão aplicados R$ 6.037.043,82 de recursos de Estado.



    Fonte: ASSECOM
    Por: Fábio Camargo Dorta

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS