Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quarta-feira, 31 de agosto de 2016

    Temer deve assistir à votação final do impeachment no Palácio do Planalto

    Se o Senado confirmar impeachment, Temer tomará posse à tarde na Câmara. Presidente interino cogita realizar reunião ministerial e fazer pronunciamento.

    Arquivo

    O presidente em exercício Michel Temer deve assistir nesta quarta-feira (31) à votação final do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff em seu gabinete, no terceiro andar do Palácio do Planalto, segundo interlocutores do peemedebista. Aliados mais próximos a Temer, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) devem acompanhar a sessão ao lado do presidente em exercício.

    A sessão do julgamento final está prevista para ser retomada a partir das 11h. O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, responsável por conduzir os trabalhos, lerá primeiro um resumo do processo.

    Em seguida, haverá o encaminhamento de votação: dois senadores a favor e dois contrários farão um discurso sobre as acusações de crime de responsabilidade que pesam contra a petista. A partir daí, será aberto o painel eletrônico para que os senadores registrem o seu voto.

    Para o afastamento definitivo de Dilma, são necessários 54 votos favoráveis ao impeachment, o equivalente a dois terços dos 81 senadores.

    Se confirmado o prognóstico tanto de aliados quanto de adversários, Dilma perderá o mandato presidencial e Temer deverá tomar posse em seguida.

    De acordo com aliados, Temer deixará o Planalto e se dirigirá ao Congresso. Ele não deverá entrar pela rampa do Legislativo, como geralmente acontece em posses presidenciais, mas pela Chapelaria, nome dado ao local usado por parlamentares e servidores para entrar no Congresso.

    A posse de Temer está prevista para ser no plenário da Câmara dos Deputados, onde costumam ser realizadas as sessões do Congresso.

    Caciques peemedebistas que estiveram com Temer na noite de terça defenderam que ele não faça discurso na Câmara, mas apenas quando já estiver de volta ao Planalto.

    A cerimônia de posse deverá ser rápida e, em seguida, Temer retornará ao Planalto para se reunir com a sua equipe ministerial. Só, então, já como presidente, deverá fazer um discurso à nação.

    Há expectativa ainda de que ele grave um pronunciamento para ser veiculado no dia 7 de Setembro, Dia da Independência do Brasil.

    À noite, Temer embarca para uma viagem à China, onde participará de encontros da Cúpula do G20.




    Do G1, em Brasília
    Por: Fernanda Calgaro

    --

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS