Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    terça-feira, 9 de agosto de 2016

    Semana da Conciliação facilita negociação de débitos com a Águas Guariroba

    Divulgação

    No primeiro dia do Mutirão da Conciliação, que começou nesta segunda-feira (08), foram registrados 143 atendimentos de pessoas que buscaram negociação de dívidas de água e esgoto com a Águas Guariroba. A ação, realizada em parceria com a Associação Comercial e Industrial de Campo Grande e o Tribunal de Justiça, segue até sexta-feira, 12 de agosto. O atendimento é das 8h às 17h, na sede da ACICG (Rua 15 de Novembro, 390, em frente à Praça Ary Coelho).
    Divulgação
    O aposentado João Toledo foi até o mutirão para negociar uma dívida. “Fui para São Paulo e as pessoas que deixei morar na casa arrebentaram o lacre. Por causa disso tive que pagar essa importância. A carta chegou essa semana, hoje eu vim e fui bem atendido, graças a Deus. Está resolvido!” A gestora de cobrança da Águas Guariroba, Maria Cleide do Nascimento, explica que a intenção da concessionária é oferecer uma proposta de negociação que não pese no orçamento familiar. “Estamos parcelando em até 60 vezes e facilitando a entrada, que também pode ser dividida no crédito”, destaca.
    Divulgação

    Na Associação Comercial, todas as negociações entre a Águas Guariroba e os clientes são mediadas por conciliadores do Tribunal de Justiça, garantindo a transparência do processo. Além do serviço de água restabelecido, a dívida com a concessionária é excluída do cadastro de devedores do serviço de proteção ao crédito. “Assim a pessoa fica com o nome limpo com a empresa e pode comprar a prazo em outros estabelecimentos”, explica a gestora de Cobrança. Durante a campanha, todas as lojas de atendimento da concessionária também estão oferecendo facilidades para quitação de débitos.

    Serviço

    Mutirão da Conciliação

    Local: Sede ACGI - Rua 15 de Novembro, 390 (em frente à Praça Ary Coelho).

    Data: 08 a 12 de agosto.

    Atendimento: De segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.






    Fonte: ASSECOM
    Por: Priscilla Demleitner

    --

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS