Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    terça-feira, 2 de agosto de 2016

    Rodrigo Maia diz que poderá retomar na segunda-feira cassação de Cunha

    Na ocasião, deverá ser lido parecer que recomenda a perda do mandato. Duas sessões após a leitura, caso tranca a pauta e impede outras votações.

    presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) - Reprodução/TVGlobo

    Após ser alvo de pressões de deputados da oposição, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), informou nesta terça-feira (2) que poderá ler na próxima segunda (8), no plenário da Casa, o parecer que recomenda a cassação do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ex-presidente da Casa.

    O processo de cassação de Cunha ficou pronto para decisão antes do recesso de julho. São necessários 257 votos entre os 512 deputados em exercício para determinar a perda do mandato do deputado do PMDB.

    A leitura do parecer no plenário deverá acelerar a votação final que pode culminar na perda do mandato do peemedebista, já que duas sessões após o ato, o caso passa a trancar a pauta de votações do plenário da Câmara, impedindo a apreciação de outras matérias.

    Rodrigo Maia, entretanto, condicionou a análise do processo de cassação de Cunha à votação do projeto da renegociação da dívida dos estados, que estava previsto para ser apreciado nesta terça. No entanto, por falta de acordo, o texto – que já recebeu mais de 200 emendas (mudanças propostas por deputados) – deverá ser votado somente na segunda-feira.

    "Esse é um assunto com nenhum tabu nele. A gente pode fazer essa leitura na segunda-feira, não há nenhum problema. Mas a prioridade é o PLP 257 [projeto da renegociação da dívida dos estados]. Não vamos votar nada sem antes votar ele", afirmou Rodrigo Maia no plenário.

    Desde esta segunda-feira (1º) – dia em que os deputados voltaram do recesso, parlamentares de PT, PC do B e PSOL pressionam Rodrigo Maia para colocar em votação o pedido de cassação de Cunha.

    Nesta terça, vários deputados da oposição ameaçaram impedir ou atrasar as votações no plenário até que o processo de Cunha fosse submetido à votação no plenário.

    A promessa do presidente da Câmara de ler o parecer que recomenda a cassação do peemedebista no plenário na próxima segunda-feira foi uma resposta ao apelo do líder da Rede, deputado Alessandro Molon (RJ).

    "A sociedade brasileira não aguenta mais ver a Câmara adiar esse debate […] Nós estamos numa luta há meses para livrar a Câmara dos Deputados de uma figura que não pode mais conviver conosco. Faço um apelo para que seja no começo da semana que vem, no máximo. E que a campanha eleitoral comece com cada parlamentar dizendo como votou na cassação de Eduardo Cunha”, discursou Molon no plenário na tarde desta terça.



    Do G1, em Brasília
    Por: Renan Ramalho

    --

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS