Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    segunda-feira, 22 de agosto de 2016

    LÍNGUA PORTUGUESA - Professor Fernando Marques



    Continuação - DISCURSAR

    8. Expressão corporal, gestos e postura

    A mensagem do orador influencia os ouvintes à proporção que se vincula à performance atrelada ao conjunto de fatores cuja parte principal é composta por expressão corporal, gestos e posturas. Tamanha é a importância da influencia destes itens o seu potencial ocupa 55% de todo o conjunto essencial ao sucesso do discurso ou da apresentação perante o público.

    8.1 Movimentos à frente do público

    O movimento dos braços, das mãos, das pernas, da cabeça, dos olhos e expressão facial deverá corresponder fielmente a cada palavra proferida ou ao silêncio propositadamente imposto pelo orador. 

    8.2 O posicionamento dos membros

    A cabeça é a principal peça da expressão corporal do orador, porque nela ficam os olhos e a boca, motivo pelo qual é o ponto mais observado pelo ouvinte. 

    A posição correta para a posição da cabeça é a de alinhamento horizontal e vertical em relação ao corpo.

    Manter a cabeça baixa ou inclinada implica erro que pode comprometer o sucesso do discurso.

    A cabeça baixa, quando não está correspondendo à expressão do sentimento planejado, denota falta de preparo. Isso ocorre denunciando a timidez, insegurança, vergonha, submissão, derrota, desgosto, desconhecimento etc.

    A cabeça levantada, quando não está correspondendo à expressão do sentimento planejado, denota arrogância; desrespeito.

    Quando houver a necessidade do orador erguer a cabeça, esse artifício resultará sucesso ante a indicação de coragem, determinação, desafio, decisão, empreendedorismo, enfrentamento, obstinação, competência etc.

    8.2.1 A fisionomia

    Cabelos arrumados, olhar firme, boca e supercílios demonstrando atitude de simpatia, vinculam-se ao encanto que, obrigatoriamente, o orador de enfatizar perante o público. Portanto, três itens determinam fundamental no membro denominado cabeça: fisionomia, olhar e expressão facial.

    Sem sugerir atuação teatral, recomenda-se o estudo e o treinamento das expressões relacionadas à face ou rosto, a fim de que o orador tenha êxito ao expor fato, sentimento ou ideia, tendo em vista o seu objetivo de persuadir e convencer a plateia.

    8.2.2 Treinar e melhorar

    Estudar e treinar fazem com haja o aprimoramento que se tornará automático durante a fala ou o discurso. Esse é o motivo pelo qual o espelho pode mostrar o que deve ser aperfeiçoado e o que pode ser descartado da expressão facial durante a fala. Neste treinamento, o orador dever observar o movimento em conjunto que envolve: boca, lábios, bochecha, nariz, olhos, testa e supercílios, como indicadores do reforço das mensagens de ternura, ódio, medo, coragem, pânico, tristeza, alegria, compaixão, pânico, amor, entusiasmo, suavidade, vibração, paz, guerra, arrependimento, pasmo, fascínio etc.

    8.2.3 Os óculos e as expressões

    Quem usa óculos deve ter o cuidado de observar se, durante o discurso, estes poderão ou não atrapalhar o sucesso da comunicação. Obviamente, a armação deverá ser conveniente, de formato e cor que não altere a expressão característica do rosto do orador, devendo harmonizar-se com os objetivos do discurso. Ante a dúvida, convém mantê-los no bolso lateral do paletó, ou ao lado, ao alcance da mão, para o caso de leitura que implique a necessidade destes.

    Se houver precisão de referência aos óculos, o orador deverá citar “meus” e nunca “meu” óculos, salvo quando se tratar de monóculo.



    Continuação na próxima semana

    --

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS