Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    domingo, 21 de agosto de 2016

    Justiça nega transferência de ex-primeira-dama para presídio feminino

    Andréia Olarte foi presa na última segunda-feira e não conseguiu a transferência para presídio (Foto: Fernando Antunes)

    O desembargador Manoel Mendes Carli negou, neste domingo (21), pedido de transferência da ex-primeira-dama Andreia Olarte, da delegacia do Garras (Grupo Armado de Resgate e Repressão a Assaltos e Sequestro) para o presídio feminino de Campo Grande. A justificativa foi que não se tratava de um caso de "urgência" para ser decidido em expediente de plantão.

    O magistrado explicou que sua assessoria entrou em contato com o Garras, onde foi informado que existem duas celas no local, uma masculina e outra feminina e que a ex-primeira dama poderia ficar com outra detenta, já que não foi demonstrado qualquer possibilidade de lesão grave ou risco a sua integridade física.

    Por esta razão, não haveria "urgência" na transferência e que o pedido retornaria para a Secretaria Judiciária, já que o assunto "fugia da matéria de plantão". O advogado João Carlos Veiga Júnior, que faz a defesa da ex-primeira dama, havia declarado que faria o pedido por não haver cela disponível a sua cliente.

    Este foi o argumento usado no recurso, que pedia a transferência a um local mais adequado, já que segundo a defesa, a delegacia do Garras não cumpria esta prerrogativa.

    Saídas 

    Desde quado foi presa, no dia 15 de agosto, Andreia Olarte já foi duas vezes ao hospital, a última foi ontem (20), quando apresentou um quadro de úlcera e hipertensão. Ela passou por uma bateria de exames e foi liberada nesta manhã (21), voltando para o Garras.

    Andreia foi presa após operação Pecúnia, realizada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), que investiga os crimes de lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e associação criminosa, contra a ex-primeira dama, o ex-prefeito Gilmar Olarte (PP), além do empresário Evandro Simões e o corretor Ivamil Rodrigues.

    A investigação começou após dados obtidos com a quebra de sigilo bancário de Andréia Olarte, assim como de sua empresa (Casa da Esteticista), onde ela adquiriu vários imóveis na Capital, na época em que o marido era prefeito, tendo alguns bens em nome de terceiros.



    Fonte: campograndenews
    Por: Leonardo Rocha
    Link original: http://www.campograndenews.com.br/politica/justica-nega-transferencia-de-ex-primeira-dama-para-presidio-feminino

    --

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS