Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    segunda-feira, 1 de agosto de 2016

    Justiça nega liberdade a mulher que explorava adolescente em prostíbulo

    Para relator, soltura da acusada geraria sensação de impunidade para crime grave

    Desembargadores da 2ª Câmara Criminal durante análise do habeas corpus (Foto: TJMS/Divulgação)

    Os desembargadores da 2ª Câmara Criminal, por maioria, negaram o habeas corpus pedido pela defesa de Flávia Cordeiro Silva, presa por agenciar uma adolescente para fazer programas sexuais em Campo Grande.

    O flagrante de favorecimento à prostituição aconteceu no dia 4 de fevereiro deste ano. Consta no processo, que entre os meses de agosto de 2015 e fevereiro de 2016, a casa de prostituição mantida por Flávia funcionou em Campo Grande. A acusada agenciava além da adolescente, outras garotas, disponibilizando aparelhos celulares e a divulgação dos serviços em sites e jornais para atrair clientes.

    A defesa da cafetina alegou que a cliente estava sofrendo constrangimento ilegal e que tem antecedentes são favoráveis à soltura. Os advogados apontam ainda que o excesso de prazo para encerramento do inquérito policial e oferecimento da denúncia, pedindo que o TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) libertasse a acusada para que respondesse o processo em prisão domiciliar.

    Contudo, o relator do processo, Carlos Eduardo Contar, entendeu que a prisão é necessária em virtude da gravidade do crime. Para ele, a liberdade da acusada serviria de incentivo para que outras pessoas cometessem as mesmas ilegalidades, gerando sensação de impunidade. Os outros desembargadores da turma tiveram o mesmo entendimento.



    Fonte: campograndnews
    Por: Anahi Zurutuza
    Link original: http://www.campograndenews.com.br/cidades/capital/justica-nega-liberdade-a-mulher-que-explorava-adolescente-em-prostibulo

    --

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS