Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    domingo, 7 de agosto de 2016

    Brasil perde primeiro set, mas vence o México na estreia

    Seleção demora a entrar no jogo contra adversário aguerrido, mas sem tradição. Após ceder a primeira parcial, equipe reage e faz o dever de casa: 3 a 1

    Brasil x México pelo vôlei masculino (Foto: Marcelo del Pozo / Reuters)

    Os olhos dos jogadores do México procuravam o placar do Maracanãzinho e pareciam não acreditar no que viam. O número 25 e a seta vermelha apontando o vencedor aparecia ao lado de sua bandeira. Não da do Brasil, o dono da casa, atual vice-campeão e cotado a um lugar no pódio olímpico. Embalado por aquele primeiro set, o time que integra a terceira divisão da Liga Mundial, já tinha motivos para comemorar sua volta aos Jogos após 48 anos de jejum. Ainda deu trabalho no set seguinte, até ver a seleção acordar e fazer jus ao seu favoritismo no jogo de estreia, neste domingo: 3 a 1(23/25, 25/19, 25/14 e 25/18). 

    Wallace foi o maior pontuador do confronto com 18 acertos. Lucarelli fez um a menos. O próximo compromisso da seleção será contra o Canadá, na terça-feira, às 22h35. 

    O jogo

    O México teve seu momento de brilho, enquanto os donos da casa ainda oscilavam. Comandaram o placar até Lucarelli ir para a área de saque. Se recebia o pedido da arquibancada, atendia. Roubou um ponto de saque e fazia a equipe passar a frente (5/4). Mas Carlos Guerra subiu sozinho, parou Wallace e gritou. A torcida não gostou nadinha e vaiou. O mau momento foi sentido e os gritos de "Brasil, Brasil" surgiu. O bloqueio dos rivais foi mais atento do que de costume e teve sucesso (17/14). Bernardinho fez a inversão. William Arjona e Evandro foram para a quadra. Bruninho e Wallace deixaram a quadra. Voltaram pouco depois, quando a seleção ainda tinha dois pontos de desvantagem. Um ace do levantador fez cair para apenas um (21/20). Mas as falhas na cobertura custaram caro. A equipe correu atrás do prejuízo, encostou de novo, mas o bloqueio não fez resistência e os adversários chegaram ao match point (24/22). Por sorte, Guerra sacou na rede. Na nova oportunidade, o oposto Daniel Vargas não perdoou: 25/23. 
    Brasil não se encontrou no primeiro set contra o México (Foto: Agência Reuters)

    Serginho falava, tentava contagiar seus companheiros. Um passe errado foi corrigido no meio do caminho. Ponto. Uma boa passagem de Lucarelli pelo saque deu um pouco mais de tranquilidade ao time, que abriu pela primeira vez três de frente (13/10). O México não desistiu. Jogou com sorriso no rosto enquanto os anfitriões mostraram expressões fechadas. Só começaram a mudar quando Eder soltou o braço no saque. Engrenava uma série de cinco serviços lá no fundo e os companheiros correspondiam lá na frente. A equipe finalmente acordou e fazia 23/15. O passe voltou a ter problemas e os mexicanos aproveitaram para cravar três bolas seguidas. Bernardinho imediatamente pediu tempo. Wallace fez a sua parte na retomada. Os adversários erraram o saque e a parcial ia para o Brasil: 25/19. 

    E pareciam não ter sentido a pressão. Seguiam equilibrando as ações. Até que Wallace & Cia. resolveram tomar as rédeas da partida. William e Evandro também deram boa contribuição na reta final do set e a equipe fez 2 a 1: 25/15. Wallace já somava 16 pontos. Lucarelli e Lucão tinham 10 cada. 

    Os mexicanos não se abateram (11/11). Ainda pareciam ter a esperança de provocar o tie-break. Mas os brasileiros mantiveram a cabeça fria e os ouvidos abertos a Bernardinho. Abriram 19/16 e encaminharam a vitória, mais difícil do que qualquer um poderia imaginar. Aos gritos de "O campeão voltou", a arquibancada já fez festa. E ela foi completa após William chamar Lucão e ele matar o ponto pelo meio. 
    Brasil vence o México e é saudado aos gritos de: "O campeão voltou" (Foto: Reuters)

    JOGOS DA RODADA

    9h30 - Itália 3 x 0 França
    11h35 - Brasil 3 x 1 México
    15h00 - Polônia x Egito
    17h05 - EUA x Canadá
    20h30 - Rússia x Cuba
    22h35 - Argentina x Irã




    Fonte: G1/GE
    Por: Danielle Rocha - Rio de Janeiro

    --

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS