Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    sexta-feira, 8 de julho de 2016

    Justiça de MS determina reintegração de fazenda onde índio morreu baleado

    Segundo decisão, índios têm 20 dias para saírem da Yvu, em Caarapó. Cabe à Funai dar cumprimento à liminar em favor de pecuarista.

    Índios em estrada de acesso à fazenda, dois dias após confronto (Foto: Gabriela Pavão/ G1 MS)

    Decisão da Justiça Federal em Mato Grosso do Sul determina reintegração de posse na fazenda Yvu, em Caarapó, a 264 quilômetros de Campo Grande, onde um índio morreu, seis foram baleados e três policiais ficaram feridos, no dia 14 de junho.

    A liminar, publicada no Diário Eletrônico da Justiça no dia 6 de julho, atende a pedido da dona da propriedade rural e dá 20 dias para a Fundação Nacional do Índio (Funai) cumprir a determinação.

    O G1 entrou em contato com a Funai e aguarda retorno com posicionamento da instituição sobre a determinação judicial.

    A Justiça autoriza ainda o uso da polícia, caso seja necessário, e determina multas diárias em caso de descumprimento. Para a Funai, a multa é de R$ 50 mil por dia; para o presidente nacional da Funai R$ 1 mil e para o representante do órgão em Dourados, R$ 500.

    Confronto

    Os índios estão na fazenda Yvu desde 12 de junho. No dia 14, houve confronto com fazendeiros e o indígena Clodiode Aquileu Rodrigues de Souza, de 26 anos, foi morto. Dos seis feridos, um continua hospitalizado devido à complicações.

    Os policiais militares feridos na fazenda tinham ido acompanhar o Corpo de Bombeiros em socorro às vítimas do conflito e acabaram sendo feitos reféns pelos índios. Eles tiveram armas e coletes balísticos recolhidos.

    A Polícia Federal (PF) investiga a morte do indígena. A Polícia Civil apura a situação relacionada aos policiais militares, que foram transferidos para Dourados. 

    Segurança

    Por conta do clima de tensão na região, o governo do estado pediu ao Ministério da Justiça a Força Nacional de Segurança Pública, que começou a atuar no dia 16 de junho.




    Do G1 MS

    --

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS