Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    segunda-feira, 11 de julho de 2016

    Em 3 anos, projeto inédito do Sesi de MS ensina robótica para mais de 2,6 mil crianças

    Divulgação

    Criado no fim de 2013, um projeto inédito do Sesi de Mato Grosso do Sul em parceria com a Lego tem ensinado gratuitamente robótica para crianças de 7 a 11 anos de idade matriculadas em escolas públicas ou dependentes de trabalhadores da indústria de 35 cidades do Estado – Campo Grande, Três Lagoas, Dourados, Corumbá, São Gabriel do Oeste, Aquidauana, Ponta Porã, Ribas do Rio Pardo, Rio Verde, Naviraí, Nova Andradina, Costa Rica, Iguatemi, Bataguassu, Rio Brilhante, Maracaju, Inocência, Paranaíba, Chapadão do Sul, Amambai, Sete Quedas, Aral Moreira, Água Clara, Terenos, Cassilândia, Porto Murtinho, Coxim, Brasilândia, Caracol, Nioaque, Bela Vista, Sonora, Antônio João, Coronel Sapucaia e Ladário.
    Divulgação

    Trata-se do Projeto Sesi e Lego nas Bibliotecas da Indústria do Conhecimento, que promove a oferta de educação tecnológica e, nesses primeiros três anos, já foram 10.453 matrículas e 2.613 crianças beneficiadas até o primeiro semestre deste ano. Segundo a gerente de educação do Sesi de Mato Grosso do Sul, Simone de Figueiredo Cruz, cada uma das 39 bibliotecas da Indústria do Conhecimento instaladas nessas 35 cidades tem capacidade para atender até 120 crianças distribuídas nos turnos matutino e vespertino. “Os horários das aulas são definidos pelos monitores das bibliotecas conforme o cronograma de atendimento e especificidades do município”, detalhou, completando que as bibliotecas estão oferecendo quatro temporadas distintas: amarela, azul, verde e roxa.

    A coordenadora das bibliotecas da Indústria do Conhecimento do Sesi no Estado, Josiane de Oliveira, acrescenta que, no caso da temporada amarela, as bibliotecas abordam o jogo de futebol de robôs, em que os alunos têm de construir o robô chutador, enquanto no mundo da biologia serão estudos os animais mais fortes da natureza. “As outras atividades são a montagem do robô-mariposa para ver como os insetos são estimulados pela luz e como desvendar os mistérios que existem no deserto”, detalhou.
    Divulgação

    Já na temporada azul os alunos fazem a montagem de um surfista mecânico para descobrir mais sobre os benefícios da água e as aventuras dos esportes aquáticos. “A temporada verde tem como foco o estímulo às atividades físicas, bem como fazer os alunos cumprirem uma missão que envolve espécies em extinção e a cura de doenças, além de viajar para o mundo dos efeitos especiais do cinema e conhecer as fantásticas invenções humanas”, explicou.

    Na temporada roxa, as monitoras concentram as atividades nas opções que oferecem os parques de diversões, tendo os alunos de construir, com o kit WeDo, muitos brinquedos, como a xícara maluca e o barco viking. “Além disso, eles ficarão por dentro de muitos assuntos, como as tecnologias envolvidas em um videogame e porque algumas pessoas gostam de ir a brinquedos radicais”, ressaltando que o projeto segue premissas como a criança deve estar matriculada na rede pública de ensino ou ser dependente do trabalhador da indústria, apresentar comprovante de matrícula anualmente e manter presença de 95% dos encontros.

    Josiane de Oliveira declara que a Edacom Tecnologia foi a responsável por guarnecer as bibliotecas da Indústria do Conhecimento do Sesi. “Temos certo que o Projeto cumpre com o seu objetivo de impulsionador da criatividade e da aprendizagem na vida destas crianças, favorecendo novas perspectivas para cada aluno”, disse, completando que os interessados devem procurar a Biblioteca Indústria do Conhecimento do Sesi mais próxima e se informar sobre o andamento das turmas.

    Ela acrescenta que todo ser humano é dotado de potencialidades que precisam ser trabalhadas e estimuladas para que possam ser desenvolvidas. “Nosso papel tem sido o de estimular monitores e crianças a desenvolver suas habilidades, aguçar sua curiosidade e sua criatividade. Acreditamos que estamos contribuindo efetivamente para o desenvolvimento dos que participam do projeto, permitindo-lhes o exercício do ser, do conviver, do fazer e do conhecer, para que assim, possam desenvolver competências pessoais, sociais, cognitivas e produtivas”, pontuou.

    Beneficiados

    Para as crianças das escolas públicas, o projeto do Sesi e Lego é uma grande oportunidade de ingressar no mundo da robótica. “Essas aulas mudaram em muito a minha vida, pois desenvolveu muito mais minha mente e eu fiquei mais inteligente. Acabei até comprando um Lego para treinar na minha casa”, informou o estudante Leandro Augusto Rodrigues, 10 anos, aluno da Biblioteca da Indústria do Conhecimento do Sesi em Amambai.

    Já a estudante Maria Eduarda Fortes, 10 anos, aluna da Biblioteca da Indústria do Conhecimento do Sesi em São Gabriel do Oeste, garante que se apaixonou por robótica graças ao curso. “Eu gosto do Lego porque ela não é só vir aqui e montar, mas também trabalhar em equipe, fazer amigos, aprender e se divertir”, garantiu. O estudante Anderson Vinícius, 11 anos, aluno da Biblioteca da Indústria do Conhecimento do Sesi em Ribas do Rio Pardo, ressalta que o curso lhe a ajudou a definir a profissão que fará no futuro: Engenharia Mecatrônica.

    “Comecei a fazer o Lego sem muita noção do que era de verdade, mas depois que comecei a fazer, vi que o Lego me ensinava a trabalhar em equipe, respeitar meus colegas e suas opiniões e aprendi a dar opiniões. O curso me ajudou a escolher a profissão que quero me formar e a robótica foi indicada por um amigo e hoje só tenho a agradecer ele, pois me ajudou muito”, declarou Anderson Vinícius.

    Na avaliação da monitora Agripina Maria de Souza, da Biblioteca da Indústria do Conhecimento do Sesi em Coxim, a cada passo dado, os alunos estão mais envolvidos no programa e desenvolvendo mecanismo mais criativos. “Com as aulas dos fascículos em que cada atividade é debatido o assunto relacionado ao tema proposto, percebo que eles estão agindo de uma forma mais crítica e com a curiosidade mais aguçada. Observamos crianças que antes tínhamos problemas com falta de disciplina e hoje são exemplos, crianças que antes eram tímidas e hoje assumem liderança em equipe, alunos que tinham dificuldades nas disciplinas de matemática e língua portuguesa e hoje melhoram muito as notas”, comemorou.

    A monitora Maria Maissun Brandão, da Biblioteca da Indústria do Conhecimento do Sesi em Campo Grande, completa que o curso de robótica é de excelente qualidade, pois leva os alunos a pensarem em como agir, raciocinar, montar estratégias para soluções de problemas e todas as aulas são teóricas e práticas ao mesmo tempo. “Os encontros consistem em oficinas que exploram o potencial didático-pedagógico dos kits de robótica. Hoje, percebemos que elas gostam de estar aqui, gostam do que estão fazendo e, principalmente, que suas atitudes para com os colegas e monitores mudaram, estão mais abertos para as dificuldades que encontram no trabalho em grupo, aceitam mais a opinião dos colegas dividindo melhor os trabalhos”, afirmou.

    Pais e professores

    Na avaliação dos pais e professores, os cursos gratuitos de robótica disponibilizados pelo Sesi e Lego vieram para somar na educação das crianças. “Esse curso de robótica é bom, não só porque você monta os robôs, mas também aprende sobre outras áreas, como a Ciências e Matemática. É muito importante para o desenvolvimento de nossos filhos”, garantiu Jefferson Rodrigues Garcia, pai de um dos alunos da Biblioteca da Indústria do Conhecimento do Sesi em Coxim.

    “Quando meu filho chegou em casa falando de uma divulgação na escola dele sobre um curso de robótica, eu já tratei logo de incentivá-lo porque no mundo em que vivemos hoje a informática é tudo e estudar robótica da maneira que a biblioteca está fazendo se tornar um grande aprendizado na vida de nossos filhos. Tive o prazer de poder acompanhar meu filho um dia desses e vi que, além de informática e mecânica, eles ainda ensinam nossos filhos a viverem melhor em sociedade”, comemorou José Nivaldo Meneguello, pai de um aluno da Biblioteca da Indústria do Conhecimento do Sesi em Coxim.

    Gisele Campos Freitas, mãe de um aluno da Biblioteca da Indústria do Conhecimento do Sesi em Antônio João, garante que o filho de 8 anos de idade sempre foi uma criança inteligente, criativa e perspicaz. “O Projeto Sesi e Lego veio ajudá-lo a desenvolver ainda mais essas características pessoais, além de despertar o espírito de jogo em equipe, de socialização e de ajuda mútua. Cada dia ele se apaixona mais pelo projeto”, assegurou.

    Já a professora Caroline Natiele Peixoto, que leciona para alunos do 3º ano do Ensino Fundamental da Escola Estadual Aral Moreira, em Antônio João, dos 26 alunos matriculados no curso da Biblioteca da Indústria do Conhecimento do Sesi, nove deles participam do projeto. “Conversando com essas crianças, pude perceber o quanto elas gostam e ficam ansiosas para participarem das aulas, isso significa que realmente eles se interessaram e se deixaram envolver pedagogicamente pelo Projeto Sesi e Lego. Além disso, em sala de aula no desenvolvimento dos meus trabalhos pedagógicos, pude notar um maior interesse pelo processo de aprendizagem destas crianças. Há uma melhor concentração, raciocínio, interesse em trabalhar em grupo, e respeito entre colegas e professor”, afirmou.

    A professora Rose Ferreira, que leciona em uma escola municipal em Brasilândia, acrescenta que as crianças que participam das aulas de robótica do Sesi e Lego apresentaram melhora no raciocínio lógico matemático e estão mais criativas, mais organizadas, independentes e conseguem resolver os desafios apresentados com mais rapidez, o que facilita a construção do conhecimento aplicado. “A socialização com os colegas melhorou, demonstram respeito para com outros alunos e professores. Com certeza estas crianças estarão mais preparadas para os desafios educacionais e profissionais que as esperam futuramente”, analisou.



    Fonte: ASSECOM
    Por: Daniel Pedra

    --

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS