Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    segunda-feira, 18 de julho de 2016

    CCR MSVia informa| Trechos com obras e serviços prosseguem na BR-163/MS

    Reprodução

    A CCR MSVia informa os locais da BR-163/MS onde estão implantados desvios ou operações pare-e-siga. Nesses pontos da rodovia é preciso redobrar a atenção, pois podem acontecer retenções de tráfego.

    Segundo Keller Rodrigues, gestor de Interação com o Cliente da CCR MSVia, todos os locais estão muito bem sinalizados, mas é fundamental que os usuários redobrem a atenção na aproximação.

    “Ao reduzir a velocidade na aproximação de trechos em obras, o usuário se antecipa a eventuais paradas repentinas do tráfego e, com isso, contribui para evitar acidentes”, diz o engenheiro.

    Todos os locais estão sinalizados. Em caso de chuva, as obras poderão ser interrompidas.

    Pontos com desvio de tráfego:
    • Rio Verde de Mato Grosso – entre os kms 695 e 693 e do km 681 ao 679;
    • Pedro Gomes/Coxim – entre os kms 790 e 788;
    • São Gabriel do Oeste – entre os kms 646 e 645, entre os kms 638 e 636, no km 630 e entre os kms 620 e 619;
    • Caarapó – entre os kms 236 e 234.
    • Eldorado – entre os kms 40 e 39
    Pontos com pare-e-siga:
    • Sonora – entre os kms 842 e 840;
    • Pedro Gomes/Coxim – entre os kms 790 e 788;
    • Rio Verde de MT – no km 626;
    • Jaraguari – entre os kms 523 e 522;
    • Sidrolândia/Nova Alvorada do Sul – no km 413;
    • Nova Alvorada do Sul – entre os kms 394 e 393 e entre os kms 384 e 382;
    • Naviraí - no km 121;
    • Itaquiraí – no km 98;
    • Eldorado – entre os kms 38 e 35;
    • Mundo Novo – entre os kms 13 e 12.
    A CCR MSVia alerta que o cronograma de obras e serviços é dinâmico, ou seja, outros pontos de intervenção com pare-e-siga ou desvio de tráfego podem ocorrer ao longo do dia. Acompanhe a evolução da situação de tráfego da BR-163/MS por meio do site www.msvia.com.br em tempo real, ou ligue para o Disque CCR MSVia pelo 0800 648 0163 (ligações gratuitas, inclusive para celulares).



    Fonte: ASSECOM

    --

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS