Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    sábado, 16 de julho de 2016

    Câmara vai funcionar duas vezes por semana durante Olimpíada, diz Maia

    Segundo presidente da Câmara, deputados vão trabalhar segunda e terça. Ele disse que pautas são combate à corrupção e reforma política.

    O deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) foi eleito presidente da Câmara dos Deputados, com 285 votos. (Foto: Henrique Coelho / G1)

    O presidente da Câmara eleito na última semana, Rodrigo Maia (DEM), afirmou que a Casa vai trabalhar dois dias por semana durante a Olimpíada, que começa no dia 5 de agosto e vai até o dia 21 do mesmo mês. O objetivo é agilizar as votações consideradas fundamentais, disse ele à imprensa, antes do encontro estadual do partido que acontece na manhã deste sábado (16) no Rio de Janeiro.

    Nas próximas duas semanas, entre 18 e 31 de julho, a Câmara entrará em "recesso branco" e não terá votações em plenário. As sessões só serão retomadas em agosto.

    "Vamos organizar com os líderes para trabalhar dois dias na semana, com trabalho intenso, para que a gente possa trabalhar segunda e terça e liberar os deputados a partir de quarta-feira. A gente tem como prioridade estreitar o relacionamento na Câmara dos Deputados, um diálogo melhor com a base e a oposição, além de uma harmonia maior com os três poderes. Temos projetos contra a corrupção, entre outros temas que estão aí na ordem do dia", disse Rodrigo Maia, durante evento do diretório regional do DEM.

    De acordo com o deputado federal, não é possível pautar muitos assuntos na Câmara devido à Olimpíada e às eleições municipais.

    "Temos que votar a renegociação da dívida, votando o projeto do Pré-sal, avançando no início do debate da reforma da Previdência. O principal são os projetos de combate à corrupção, melhoria do sistema de controle do Estado e a reforma política, que acho que vai ser uma relação bem próxima com o Senado para termos uma posição conjunta, para não ficarmos nesse debate interminável que pulveriza votos e não resolve nada", afirmou ele.

    O presidente da Câmara também falou sobre as ações consideradas polêmicas com relação à economia. O deputado declarou que não considera "impopulares" as medidas de ajuste fiscal que o governo de Michel Temer pretende implementar.

    "Impopular é você gastar mais do que você tem e deixar 11 milhões de pessoas desempregadas. Não é impopular, é necessário para diminuir o desemprego à metade", disparou ele.

    Rodrigo Maia afirmou que seu antecessor, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que renunciou à presidência, tem qualidades, mas que a imagem da Câmara não é boa neste momento. O peemedebista é réu no Supremo Tribunel Federal (STF) acusado de participar do esquema de corrupção investigado pela Lava Jato e, na Câmara, responde a processo de cassação do mandato.

    "Tem momentos onde ele é muito produtivo, votamos matérias importantes até o primeiro semestre do ano passado. Depois a crise se acentuou com relação a ele. Vamos deixar o Eduardo cuidar do julgamento dele, defesa dele no Plenário, ele tem esse direito. Mas temos esse problema grande hoje, a imagem não vai bem. E de cada presidente que eu convivi, todos têm pontos positivos. Ele tinha o plenário como qualidade", relembra Maia.

    Jogos de azar

    Rodrigo Maia também defendeu a liberação de jogos de azar como forma de aumentar a arrecadação no país. Diversos projetos sobre o tema tramitam na Câmara e no Senado.

    "Sou a favor que o jogo faça parte da cadeia de entretenimento, a favor dos cassinos e resorts, com investimento na rede hoteleira, de eventos e também do jogo. Esse encaminhamento é que trará bilhões e bilhões para o Brasil. Hoje, o Brasil tem oito mil máquinas clandestinas e ninguém faz nada. Ou a gente caminha para uma coisa séria, ou vamos acabar com o que tem, porque se está lavando dinheiro todo dia", afirmou ele.



    Do G1 Rio
    Por: Henrique Coelho
    Link original: http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2016/07/camara-vai-funcionar-duas-vezes-por-semana-durante-olimpiada-diz-maia.html

    --

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS