Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    sexta-feira, 22 de julho de 2016

    Águas Guariroba usa tecnologia inovadora para medir consumo

    Divulgação

    Com um equipamento semelhante a um smartphone e uma antena acoplados a um veículo, o leiturista passa pela rua, trafegando normalmente. Enquanto ele fica atento às normas de trânsito, o aparelho capta os sinais enviados pelos hidrômetros digitais instalados nos imóveis, fazendo a medição do consumo de água de cada um. A medição por telemetria é um projeto piloto que está sendo desenvolvido pela Águas Guariroba, empresa responsável pelos serviços de água e esgoto de Campo Grande (MS).

    É um grande avanço para as empresas de saneamento e usuários, pois a nova tecnologia oferece mais praticidade. “A medição por telemetria evita o acesso do leiturista ao imóvel nos casos em que o hidrômetro é interno. Elimina também as cobranças pela média, o que acontece quando não se tem acesso ao hidrômetro”, explica Ana Paula Molina, gerente Comercial da Águas Guariroba, uma das responsáveis pelo projeto.
    Divulgação

    Outra vantagem da telemetria é detectar possíveis vazamentos, reduzindo ainda mais as perdas de água. Campo Grande tem hoje um dos menores índices de perdas do país: 19%, enquanto a média nacional é de 38% (SNIS – Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento, 2013). A redução é fruto da busca contínua pela excelência e melhores serviços, como o caso dos investimentos feitos para viabilizar o novo projeto de medição por leitura remota.

    O primeiro passo foi a substituição dos hidrômetros mecânicos – os tradicionais, redondos, com relógio e conta-giros – para os digitais, também conhecidos como ultrassônicos. A troca começou a ser feita em 2014 e mais de 32 mil hidrômetros digitais foram instalados. Segundo a fabricante, uma empresa alemã, Campo Grande é a cidade brasileira que tem o maior número de clientes com acesso à essa tecnologia.

    Como funciona a medição por telemetria

    O hidrômetro digital permite a leitura por meio do toque no sensor ótico do aparelho. O total de metros cúbicos consumidos também são enviados por rádio frequência, que são geradas pelo aparelho automaticamente a cada 8 segundos. Elas são captadas pela antena receptora portátil usada pelo leiturista ou por antenas fixas, metodologia que também está sendo usada pela Águas Guariroba. São duas antenas em dois pontos da cidade, responsáveis pela leitura à distância de hidrômetros de 2 mil imóveis. No caso do leiturista, o registro pode ser feito com o carro ou moto em movimento e tem alcance de até 200 metros. Cada hidrômetro possui uma identificação única e uma chave de segurança que garantem total sigilo nas informações transmitidas por telemetria.



    Fonte: ASSECOM
    por: Rogério Valdez

    --

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS